Assembleia virtual é a opção perfeita para evitar aglomerações
20 de abril de 2020
Controle online de recebíveis do condomínio: qual sua importância?
22 de abril de 2020

Mediação de conflitos internos no condomínio

Os condomínios podem ser comparados a pequeninas cidades, com deveres e direitos inscritos em documentos e com centenas de indivíduos compartilhando um mesmo espaço. Nesse contexto, a mediação de conflitos internos no condomínio é indispensável.

Em muitas ocasiões, as próprias características físicas do edifício facilitam a existência de discussões. Afinal, pode haver paredes que comprometam a acústica dos ambientes, garagens apertadas, inexistentes ou mal dispostas, inadimplência, entre outras questões. Enfim, não faltam motivos para a discórdia! Como lidar com isso?

A importância da mediação de conflitos internos no condomínio

Para solucionar pacificamente esses desentendimentos, sem recorrer à justiça e, assim, ter que esperar anos para que o assunto seja solucionado, a presença de um mediador de conflitos tem sido comum em muitos condomínios.

Expedientes dessa natureza têm sido amplamente utilizados, principalmente pela promulgação da lei que regulamenta esse instituto, a Lei 13140, de 2015.

Quando intervir?

Quaisquer questões que envolvam o condomínio podem ser resolvidas pela mediação: discussões entre condôminos, fornecedores e funcionários, fachada, utilização de áreas comuns, problemas com pets, descumprimento do regimento interno, inadimplência, entre outros.

Como intervir?

Se desejar implementar esse recurso você deve, antes de mais nada, registrar esse formato extrajudicial de solução de conflitos junto à convenção do seu condomínio. Para tanto, a convenção deverá conter uma cláusula específica, prevendo a solução de conflitos prioritariamente por essa esfera, a fim de evitar, sempre que possível, a justiça comum.

É fundamental que, nessa cláusula, esteja bem claro que os condôminos são obrigados a participar das mediações, sendo facultativo apenas o assentimento às soluções apresentadas pelo mediador.

Vantagens da mediação de conflitos internos no condomínio

Embora esse método não possa garantir o êxito de todas as intervenções, uma vez que as partes devem aceitar as soluções propostas pelo mediador, a vantagem principal – em comparação à justiça comum – reside na celeridade dos processos. Caso os envolvidos estejam dispostos a aceitarem os acordos propostos, os litígios podem ser prontamente resolvidos.

Desde um ponto de vista econômico, os custos se tornam, também, mais vantajosos para os moradores e o condomínio. Devido ao fato de ser uma forma extrajudicial, não é necessário, na etapa de mediação, contratar advogados.

O papel do mediador

A função principal de um mediador consiste em ouvir todos os envolvidos (direta ou indiretamente envolvidos no conflito), apaziguando os ânimos exaltados. Além disso, é indispensável que sejam sigilosos, bem como acalmar o ambiente, ser imparcial, tratar com o devido respeito ambas as partes e despersonificar os problemas.

Conscientização

Quando problemas cotidianos de um condomínio são retirados da esfera judicial (sempre tão carregada de formalismos e sisudez), as mediações podem despertar nos condôminos a consciência de que compartilham os mesmos espaços. Logo, devem perceber que possuem opiniões diferentes e singularidades próprias.

Cumpre ressaltar, por fim, que além de ajudar em todos os passos necessários para que você tenha sucesso na mediação de conflitos internos no condomínio, a ASC Service disponibiliza um sistema que permite o acesso às principais informações e dados capazes de potencializar a gestão e o acompanhamento de seu condomínio. Entre em contato hoje mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *